JORNALISTAS LANÇAM LIVRO NA SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA


http://public.pps.org.br/img/global/midia/thumb/4a0b66e1db6223a98fb04a5ccfaf5a6eLIVROS.jpg


Na Semana da Consciência Negra (dia 18/11, quinta, às 18 horas), a Solisluna Editora está lançando no Museu Carlos Costa Pinto (Corredor da Vitória) os três livros da série ‘Traços do Encantamento'.

 A trilogia tem como tema central o entrelaçamento cultural afro-baiano. Composta pelos livros "Imagens da Diáspora" - a arte de Goya Lopes com texto de Gustavo Falcón; "Candomblé da Bahia - Resistência e identidade de um povo de Fé" e "Cacimbo" - ambos de José de Jesus Barreto. No dia do lançamento haverá uma mesa redonda com os autores e convidados a partir das 18 horas no auditório do Museu Carlos Costa Pinto.

A série ‘Traços do Encantamento' venceu edital da Fundação Pedro Calmon da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Os três livros foram lançados em São Paulo na 21ª Bienal Internacional do Livro em agosto passado.

Imagens da Diáspora (80 páginas 15 x 21 cm) mostra o traço singular dos desenhos da artista Goya Lopes, hoje conhecida pela criação de um estilo, um jeito de vestir afro-baiano, em indumentárias, cores e motivos típicos. A arte de Goya é acompanhada pelo texto esclarecedor do historiador e professor Gustavo Falcón, que alinhava em linguagem simples o legado dos quatro cantos da África que, via quatro séculos escravidão, resultou na afro-baianidade de hoje.

Candomblé da Bahia (96 páginas 15 x 21 cm) tem como motivo a religiosidade, fundamental na história da resistência dos povos africanos à escravidão e também na busca da identidade perdida em função do tráfico negreiro, num processo de interação único acontecido em Salvador e Recôncavo baiano. O autor de forma didática explica as origens históricas e diferenças do candomblé baiano, abrindo uma porta para que o leitor deixe entrar um pouco da luz dessa fé, desse culto religioso afro-baiano.

Cacimbo - Uma experiência em Angola', (80 páginas 15 x 21 cm) leve e instigante trabalho num jornalismo-literário tipicamente baiano que mostra em flashes do dia-a-dia as identidades e dessemelhanças culturais entre Luanda e Salvador - cidades irmãs, fêmeas, aninhadas em águas atlânticas. Em textos curtos, o autor retrata a Angola em recuperação, depois de décadas de guerra fratricida, as desigualdades, o jeito de viver, a beleza, a sensualidade de seu povo e conclui: ‘Angola é vó da Bahia'.


OS AUTORES

 

Goya Lopes - Nascida em Salvador no ano de 1954, formada em Belas Artes pela UFBA em 1976, estudou design em Florença, na Itália. Em 1986 criou a marca Didara Design Goya Lopes, com a proposta artística de usar a estamparia para contar a história da ancestralidade afro-baiana-brasileira. Em 1993 ganhou o prêmio Museu da Casa Brasileira. Em 2008 apresentou a exposição ‘Ancestralidade Africana no Brasil', em Chicago (USA) - cujos trabalhos estão impressos no livro ‘Imagens da Diáspora'.

Gustavo Falcón - Baiano de Salvador, 57 anos, é jornalista, doutor em História, escritor e professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA. Dirigiu e editou várias publicações culturais baianas, entre as quais a Revista da Bahia e a revista Afro-Ásia, do Centro de Estudos Afro-Orientais - CEAO. É autor dos livros Os Coronéis do Cacau e Os baianos que rugem - a Imprensa alternativa na Bahia, Do reformismo à Luta Armada - A Trajetória Política de Mário Alves 1923-1970 entre outras obras.

José de Jesus Barreto - Baiano nascido em Salvador no ano de 1949. É jornalista desde 1970 - com atuação em jornais e revistas locais e do sul do país, em tevê, rádio e publicidade -, e professor licenciado em Ciências Sociais pela UFBA. Como escritor, é autor dos textos dos livros ‘Entre Amigos - Carybé & Verger, Gente da Bahia'; Carybé, Verger & Caymmi, Mar da Bahia' (editados pela Solisluna Editora), e, em parceria com o jornalista Otto Freitas, é autor dos perfis literários de ‘Carybé', e de ‘Mestre Pastinha' - editados pela Assembléia Legislativa do Estado.

A EDITORA

A Solisluna Design e Editora foi criada pelos designers e editores Enéas Guerra e Valéria Pergentino em 1993. Dedicada à comunicação visual e à publicação de livros, a Solisluna está cada vez mais atuante no mercado editorial brasileiro. Na 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, lançou 16 títulos de autores baianos ou radicados na Bahia. Em novembro, está lançando também outros títulos em Salvador.


SERVIÇO

Lançamento dos livros e mesa redonda com os autores e convidados

Data: 18 de novembro, quinta-feira

Horário: a partir das 18h

Local: no Museu Carlos Costa Pinto (Corredor da Vitória)

Preço em livrarias: R$ 29,90 (cada livro)

Preço do livros no lançamento: R$ 25,00 (cada livro)